O que é ser “climaterian”?

A sustentabilidade é um tema que se encontra, cada vez mais, na ordem do dia e em, praticamente, todos os aspetos do nosso quotidiano, incluindo na alimentação.


Optar por ter uma alimentação sustentável é uma forma de cuidar do planeta, o que implica reduzir o consumo de alimentos com um elevado impacto ambiental.


Para se ter uma alimentação sustentável temos que ter em consideração todos os aspetos da cadeia alimentar: desde os processos de produção, até ao transporte e preparação. (Associação Portuguesa de Nutrição,2017)



Importa, em primeiro lugar, compreender o que é um alimento sustentável: um alimento sustentável é produzido com recurso a métodos de produção que respeitam o ambiente e os animais, devem ser de produção local e respeitar a sazonalidade, diretamente adquiridos ao produtor, não processado, de modo a reduzir a utilização de recursos, e que respeite o bem-estar animal, ambiental, dos produtores e consumidores. Por outro lado, uma dieta sustentável contribui para a segurança alimentar e nutricional da população, bem como para o seu estado de saúde, respeitam a biodiversidade e o ecossistema, permitindo otimizar os recursos naturais e humanos. (Associação Portuguesa de Nutrição,2017)


De modo tentar ter uma alimentação mais sustentável tem-se falado em dois conceitos: vegetarianismo e o climaterian. O vegetarianismo atualmente já é conhecido por todos e implica a exclusão de todos os tipos de carne e peixe, e outros consoante a variante vegetarianismo.


O que é então ser climaterian?

Ser climaterian é escolher os alimentos que se consome consoante o impacto ambiental, optando por aqueles que são menos prejudiciais para o ambiente e evitar o desperdício. (Cambridge University Press,2020) Um climaterian tenta entender qual a origem dos alimentos que consome e qual o seu impacto ambiental. (Viver Saudável,2019)


O indicador ambiental que avalia o impacto ambiental de um alimento é a pegada de carbono que calcula a emissão de gases com efeito de estufa, durante o ciclo de vida do alimento. (Associação Portuguesa de Nutrição,2017)


Os alimentos que são responsáveis por um uso superior de recursos e maior emissão de gases causadores de efeito de estufa são os de origem animal, comparativamente aos de origem vegetal. A produção de alimentos de origem animal é responsável por um uso superior de recursos (água e solo, por exemplo) e emissões de gases de efeito de estufa superiores face aos alimentos de origem vegetal. (Associação Portuguesa de Nutrição,2017)


Os alimentos que consomem mais água para a sua produção e emitem mais gases com efeito de estufa são as carnes vermelhas, lacticínios, chocolate e café. (Associação Portuguesa de Nutrição,2017)


O processamento dos alimentos também implica custos ambientais mais elevados, pois as emissões de carbono e os custos em recursos e energia dos produtos processados variam consoante, o modo de conservação (congelação, refrigeração, sem cadeia de frio), o tempo de conservação, o número de embalagens, o tipo de embalagem, o acondicionamento no transporte e a distância entre o produtor até ao consumidor. (Associação Portuguesa de Nutrição,2017)

Assim, para o climaterian interessa também saber a viagem que os alimentos fizeram para chegar aos mercados e supermercados locais. (Viver Saudável,2019)


A dieta do climaterian não é uma dieta restritiva e pode ser adaptada a cada pessoa, sendo que a escolha dos alimentos a incluir será de acordo com a sazonalidade, o tipo de produção, preferindo a produção local, evitar o desperdício utilizando todas as partes do alimento, optar por produtos que utilizem embalagens reutilizáveis ou fazer compras a granel e, no caso da carne e pescado, optar pela carne com menores pegadas de carbono, como é o caso das carnes brancas, e também pela produção que mais respeite o bem-estar animal. (Viver Saudável,2019)


Para iniciar uma alimentação mais sustentável pode começar por:

• Realizar uma lista de compras e adquirir apenas os alimentos que serão consumidos.

• Ocupar metade do prato com alimentos de origem vegetal.

• Limitar a 1/4 do prato os alimentos de origem animal. Limitar o consumo de carne vermelhas e processadas.

• Aumentar o consumo diário de leguminosas e utilizá-las em substituição da carne, pescado ou ovos em algumas refeições da semana;

• Preferir alimentos locais e da época;

• Consumir pescado nacional, conforme a época e com o tamanho mínimo exigido pela lei.

• Reaproveitar as sobras de outras refeições;

• Reduzir o desperdício na preparação e confeção dos alimentos;

• Cozinhar em panela de pressão permite economizar mais energia;

• Limitar o uso de forno;

• Ferver a água num jarro elétrico é mais rápido e envolve menos custos energéticos;

• Manter a panela tapada, enquanto cozinha e desligar o fogão pouco tempo antes do final da cozedura;

• Adquirir produtos avulso;

• Reutilizar embalagens utilizadas;

• Atentar à data de validade dos produtos e acondicionar na zona frontal os alimentos com a data de fim mais próxima;

• Acondicionar convenientemente os alimentos;

• Consumir, em primeiro lugar, os alimentos mais perecíveis;

• Reciclar as embalagens utilizadas;

• Fazer canteiro aromático, por exemplo.

(Associação Portuguesa de Nutrição,2017)



Relembro então alguns princípios da dieta mediterrânica que acabam também por preconizar um pouco estes pressupostos: cozinha simples e frugal, preferir os produtos hortofrutícolas, privilegiar os produtos locais e respeitar a sua sazonalidade, consumo moderado de lacticínios e baixo de carnes vermelhas. A dieta mediterrânica trata-se, portanto, de uma boa aposta para melhorar a sustentabilidade da sua alimentação. (Nutrimento,2014)



Referências Bibliográficas:


Associação Portuguesa de Nutrição. Alimentar o futuro: uma reflexão sobre sustentabilidade alimentar. E-book n.° 43. Porto: Associação Portuguesa de Nutrição; 2017.


Cambridge University Press,2020 https://dictionary.cambridge.org/pt/dicionario/ingles/climatarian


Revista Viver Saudável (2019,Setembro 30)

https://www.viversaudavel.pt/climatarian-conceito-alimentacao/


Nutrimento -Blog do Programa Nacional de Promoção da Alimentação Saudável (2014, outubro 17)

https://nutrimento.pt/noticias/conheca-os-10-principios-da-dieta-mediterranica-em-portugal/



Por: Margarida Silveiro: Nutricionista do Clube de Saúde Kalorias Évora, membro efetivo da Ordem dos Nutricionistas nº2724N.

409 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

Faça parte da nossa lista de emails.

Escolha a(s) newsletter(s) que gostaria de receber:

  • Branca Ícone Instagram
  • Branca Ícone LinkedIn

© 2021 KALORIAS - Todos os direitos reservados.