Fome emocional

Já alguma vez sentiu vontade de comer algo, sem saber bem o quê, e não sentir propriamente fome? Esta sensação é bastante frequente e pode tratar-se de fome emocional.



Importa, em primeiro lugar, distinguir fome fisiológica de fome emocional:


Na fome fisiológica o nosso organismo dá-nos sempre algum sinal : dor de estômago ligeira a forte, dores de cabeça, alteração de humor e até pode causar eventualmente tonturas e sensação de fraqueza e, na fome fisiológica sabemos imediatamente que precisamos de comer alguma coisa e, na verdade, qualquer coisa nos satisfaz ou pelo menos reduz o desconforto.


A fome emocional, nada tem a ver com necessidades fisiológicas, mas decorre do nosso estado emocional e, por norma, há a tendência de procurar alimentos com características específicas, nomeadamente de elevado teor calórico, ricos em gordura e/ou açúcar. Surge por norma nos momentos em que sentimos a necessidade de nos recompensarmos por algo que nos destabilizou emocionalmente, levando a momentos de ingestão de alimentos de uma forma mais descontrolada e seguida de um sentimento de culpa.


Relativamente a estratégias para reduzir este tipo de situações passam por manter o apetite controlado para evitar excessos alimentares e facilitar a escolha de alimentos de uma forma consciente, controlar porções ao longo do dia, manter uma boa hidratação, descansar o número de horas suficientes e, o mais importante é evitar dietas restritivas, pois aumentam o estado de stress e ansiedade e podem ser a causa de uma relação negativa com a comida!



Por: Margarida Silveiro: Nutricionista do Clube de Saúde Kalorias Évora, membro efetivo da Ordem dos Nutricionistas nº2724N.

211 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

Faça parte da nossa lista de emails.

Escolha a(s) newsletter(s) que gostaria de receber:

  • Branca Ícone Instagram
  • Branca Ícone LinkedIn

© 2021 KALORIAS - Todos os direitos reservados.