A importância da Vitamina D

A vitamina D é uma vitamina única entre os seus pares, pois funciona como hormona e pode ser sintetizada a partir da exposição à luz solar, sendo uma parte (muito pequena) proveniente ainda de fontes alimentares.



A vitamina D tem duas formas químicas: a vitamina D2, encontrada em cogumelos e leveduras expostos ao sol; e a vitamina D3, obtida da irradiação ultravioleta do percursor do colesterol (7-dihidrocolesterol), naturalmente presente na pele de animais, sendo sintetizada na pele e encontrada naturalmente nos peixes gordos. A síntese de vitamina D através da pele é bastante variável, dependendo da pigmentação (menores níveis de síntese quanto maior a pigmentação da pele), latitude, estação do ano, vestuário, idade (a capacidade de síntese diminui com o envelhecimento), uso de protetor solar e condições meteorológicas locais, bem como fatores hormonais, genéticos e nutricionais (ex: IMC – indivíduos com excesso de peso têm maiores necessidades em vitamina D).


A vitamina D possui atividade em vários tecidos e células, que podem justificar os muitos dos benefícios na saúde desta vitamina, nomeadamente:


  • Estimula a absorção intestinal do cálcio e fósforo, regulando o metabolismo destes minerais, promovendo o crescimento e manutenção óssea. Atua também a nível renal, ao impedir a eliminação renal do cálcio;

  • Estimula a produção de insulina e melhora a sensibilidade a esta, desempenhando um papel preventivo na Obesidade e Diabetes;

  • Reforça o Sistema imunitário, permitindo atuar na prevenção de vários tipos de cancro e de várias doenças autoimunes (como Lúpus, Artrite Reumatoide, Doença Inflamatória Intestinal,…);

  • Ajuda a reduzir o risco de Enfarte, de Doença Coronária e de Insuficiência Cardíaca;

  • Promove uma resposta saudável às Inflamações.


A insuficiência/deficiência de vitamina D é um problema de saúde pública à escala mundial, pelo que a sua suplementação deve ser considerada em grupos de risco, como idosos, indivíduos hospitalizados, mulheres pós-menopausa e grávidas. A constante associação entre o défice de vitamina D e várias patologias têm proposto a necessidade de atualizar as doses diárias de vitamina D recomendadas.


As fontes alimentares de vitamina D são escassas (respondem apenas a 15% a 20% das necessidades), uma vez que apenas existe em quantidades significativas num número limitado de alimentos, como peixe gordo (sardinha, truta, goraz, corvina, salmão, atum, cavala e arenque), gema de ovo, óleo de fígado de bacalhau e cogumelos secos ao sol. Esta escassez motivou a fortificação de alimentos com vitamina D, como leite, queijos, cereais de pequeno-almoço, entre outros, sendo que Portugal não tem o hábito de fortificar alimentos.



Por: Ana Filipa Dias: Nutricionista do clube de saúde Kalorias Gaia, membro efetivo da Ordem dos Nutricionistas nº2594N.

11 visualizações

Faça parte da nossa lista de emails.

Escolha a(s) newsletter(s) que gostaria de receber:

  • Branca Ícone Instagram
  • Branca Ícone LinkedIn

Os Nossos Parceiros:

prozis_logo_red
securitas
456Prancheta-1
89Prancheta-1
99Prancheta-1
94Prancheta-1
76Prancheta-1
65Prancheta-1
49Prancheta-1
51Prancheta-1
23Prancheta-1
43Prancheta-1
27Prancheta-1
25Prancheta-1
19Prancheta-1
16Prancheta-1
parceirosPrancheta-1
12Prancheta-1
7Prancheta-1
07Prancheta-1
6Prancheta-1
5Prancheta-1
2Prancheta-1
3Prancheta-1
4Prancheta-1
1Prancheta-1
prozis_logo_red
securitas
456Prancheta-1
89Prancheta-1
99Prancheta-1
94Prancheta-1
76Prancheta-1
65Prancheta-1
49Prancheta-1
51Prancheta-1
23Prancheta-1
43Prancheta-1
27Prancheta-1
25Prancheta-1
19Prancheta-1
16Prancheta-1
parceirosPrancheta-1
12Prancheta-1
7Prancheta-1
07Prancheta-1
6Prancheta-1
5Prancheta-1
2Prancheta-1
3Prancheta-1
4Prancheta-1
1Prancheta-1

© KALORIAS 2020 Todos os direitos reservados.