A importância da Vitamina D

A vitamina D é uma vitamina única entre os seus pares, pois funciona como hormona e pode ser sintetizada a partir da exposição à luz solar, sendo uma parte (muito pequena) proveniente ainda de fontes alimentares.



A vitamina D tem duas formas químicas: a vitamina D2, encontrada em cogumelos e leveduras expostos ao sol; e a vitamina D3, obtida da irradiação ultravioleta do percursor do colesterol (7-dihidrocolesterol), naturalmente presente na pele de animais, sendo sintetizada na pele e encontrada naturalmente nos peixes gordos. A síntese de vitamina D através da pele é bastante variável, dependendo da pigmentação (menores níveis de síntese quanto maior a pigmentação da pele), latitude, estação do ano, vestuário, idade (a capacidade de síntese diminui com o envelhecimento), uso de protetor solar e condições meteorológicas locais, bem como fatores hormonais, genéticos e nutricionais (ex: IMC – indivíduos com excesso de peso têm maiores necessidades em vitamina D).


A vitamina D possui atividade em vários tecidos e células, que podem justificar os muitos dos benefícios na saúde desta vitamina, nomeadamente:


  • Estimula a absorção intestinal do cálcio e fósforo, regulando o metabolismo destes minerais, promovendo o crescimento e manutenção óssea. Atua também a nível renal, ao impedir a eliminação renal do cálcio;

  • Estimula a produção de insulina e melhora a sensibilidade a esta, desempenhando um papel preventivo na Obesidade e Diabetes;

  • Reforça o Sistema imunitário, permitindo atuar na prevenção de vários tipos de cancro e de várias doenças autoimunes (como Lúpus, Artrite Reumatoide, Doença Inflamatória Intestinal,…);

  • Ajuda a reduzir o risco de Enfarte, de Doença Coronária e de Insuficiência Cardíaca;

  • Promove uma resposta saudável às Inflamações.


A insuficiência/deficiência de vitamina D é um problema de saúde pública à escala mundial, pelo que a sua suplementação deve ser considerada em grupos de risco, como idosos, indivíduos hospitalizados, mulheres pós-menopausa e grávidas. A constante associação entre o défice de vitamina D e várias patologias têm proposto a necessidade de atualizar as doses diárias de vitamina D recomendadas.


As fontes alimentares de vitamina D são escassas (respondem apenas a 15% a 20% das necessidades), uma vez que apenas existe em quantidades significativas num número limitado de alimentos, como peixe gordo (sardinha, truta, goraz, corvina, salmão, atum, cavala e arenque), gema de ovo, óleo de fígado de bacalhau e cogumelos secos ao sol. Esta escassez motivou a fortificação de alimentos com vitamina D, como leite, queijos, cereais de pequeno-almoço, entre outros, sendo que Portugal não tem o hábito de fortificar alimentos.



Por: Ana Filipa Dias: Nutricionista do clube de saúde Kalorias Gaia, membro efetivo da Ordem dos Nutricionistas nº2594N.

16 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

Faça parte da nossa lista de emails.

Escolha a(s) newsletter(s) que gostaria de receber:

  • Branca Ícone Instagram
  • Branca Ícone LinkedIn

© 2021 KALORIAS - Todos os direitos reservados.